Portal de Notícias Demonstrativo - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Notícias Cultura

Quem foi Jesuíno Brilhante, o primeiro cangaceiro da história?

" O bom cangaceiro"

Quem foi Jesuíno Brilhante, o primeiro cangaceiro da história?
Play Mídia TV Patu
Imagens
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Em uma data indeterminada, do ano de 1844, no interior do estado do Rio Grande do Norte, na área que hoje corresponde à cidade de Patu, no sítio Tuiuiú, nascia Jesuíno Alves de Melo Calado, vulgo Jesuíno Brilhante, aquele que viria ser conhecido como o cangaceiro romântico, o “Robinwood” do sertão ou o primeiro cangaceiro do sertão brasileiro. Adveio de uma família aristocrata rural sertaneja, virando bandoleiro no ano de 1871 em virtude de um fato ocorrido com seu irmão – levou uma surra no meio da rua, da cidade de Patu/RN, e acusado, inocentemente, segundo alguns, de roubo de uma cabra – o motivando a buscar justiça em nome da família.

Muito diferente daquela filosofia do cangaço do século passado em que os cangaceiros roubavam e matavam para demonstrarem o poder e o terror, Jesuíno Brilhante era descrito pelos seus próximos como um homem gentil, que era querido e respeitado pela população patuense.

Em suas ações, buscava saquear combios e mercadorias enviadas do governo aos coronéis que comandavam o sertão (mercadorias essas que eram desviadas enquanto a população morria de fome em plena seca) e oprimiam as classes mais pobres do sertão. Jesuíno empenhava a sua luta em virtude de um bem social e comum, sem um retorno propriamente dito para o cangaceiro.

A cultura do cangaço, que surgira como um movimento social de combate à pobreza e à fome, tornara-se visto como uma ideologia bandida na visão dos coronéis, e também muito em virtude das atuações posteriores de Lampião.

Jesuíno Brilhante foi responsável pela criação de algo que viria a ser um Estado paralelo sertanejo entre os anos de 1871 e 1879, quando os governantes temiam-no, juntamente com o seu bando.

O patuense, por ter nascido em uma família aristocrata, tivera uma boa educação em comparação as demais pessoas, mas sempre buscou aprender coisas do seu dia a dia com os homens do campo e sertanejos. Em suas ações, buscava sempre paracer um homem comum, não propagando uma imagem de autoridade moral, mas de um entre tantos oprimidos no nordeste brasileiro.

A morte de Jesuíno Brilhante foi algo heroico, digno de registros de cinema. O desfecho ocorreu em dezembro de 1879, em uma emboscada, na cidade de Belém do Brejo do Cruz, Paraíba, quando vinha sendo perseguido pela polícia e fora alvejado, de surpresa, por dois tiros na região do abdômen, disparados pelo seu algoz, Preto Limão.

Seus restos mortais foram enviados para a cidade de Mossoró/RN para exames feitos pelo médico Francisco Pinheiro de Almeida, com o intuito de realizar uma exposição no Colégio Diocesano de Mossoró. Posteriormente, seus restos mortais foram levados para o Rio de Janeiro, e por anos permaneceu no museu do alienista Juliano Moreira. Mais tarde, os restos mortais seriam removidos para um local desconhecido, ficando sem paradeiro até os dias de hoje.

Atualmente, a memória de Jesuíno Brilhante permanece viva na literatura nacional, nas artes, cinemas e novelas. Trata-se de uma figura que é descrita como um bandido por alguns, e por outros como um herói justiceiro do/no sertão. A história o marcará para sempre.

FONTE/CRÉDITOS: Jornal Tribuna
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!